domingo, 12 de agosto de 2012

LENDAS COM INTERPRETAÇÃO TEXTUAL





ESCOLA MUNICIPAL SOLDADINHO DE JESUS
Aluno(a):___________________________Profª:________________Data:___/___/2012


PROJETO FOLCLORE

“Descobrindo Novos  Saberes”



LENDAS FOLCLÓRICAS



A MULA SEM CABEÇA

Existem muitas versões sobre a mula-sem-cabeça. Uma delas conta que uma mulher se apaixonou por um padre.
          Esta mulher se transformou em mula-sem-cabeça, que nas noites de quinta para sexta feira, aparece relinchando, para assustar a todos que encontrar.
          Apesar do nome, a mula tem cabeça sim, é que ela solta tanto fogo pelo nariz e pela boca que não dá para ver esta parte do seu corpo.
          Se alguém for bastante corajoso para lhe arrancar o freio de ferro, ou então picá-la com um alfinete para fazê-la sangrar, conseguirá quebrar o encanto.
          A mula toma forma de mulher e chora muito.
1-   Segundo a lenda, quando uma mulher se transforma em mula-sem-cabeça?
______________________________________________________________
 
2-   O que a mula-sem-cabeça faz?
_____________________________________________________________
 
3-   Quando é que ela aparece?
_____________________________________________________________
 
4-   Por que as pessoas não conseguem ver a cabeça da mula?
_____________________________________________________________
 
5-   Qual a maneira de quebrar o encanto da mula-sem-cabeça?
_____________________________________________________________
 
6-   O que acontece com a mulher quando ela se livra do encanto?
_____________________________________________________________

O BOTO COR DE ROSA

  Esta lenda tem sua origem no  boto-cor-de-rosa, um mamífero muito semelhante ao golfinho, que habita a bacia do rio Amazonas.
         De acordo com a lenda, um boto cor-de-rosa sai dos rios nas noites de festa junina, quando são comemorados os aniversários de São João, Santo Antonio e São Pedro, a população ribeirinha da região amazônica celebra estas festas dançando quadrilha, soltando fogos de artifício, fazendo fogueiras e degustando alimentos típicos da região.  Com um poder especial, O BOTO consegue se transformar num lindo jovem vestido com roupa social branca. Ele usa um chapéu branco para encobrir o rosto e disfarçar o nariz grande.          Este desconhecido e atraente rapaz conquista com facilidade a mais bela e desacompanhada jovem que cruzar seu caminho e, em seguida, dança com ela a noite toda, a seduz, a guia até o fundo do rio, onde, por vezes, a engravida e a abandona. Por isso, as jovens eram alertadas por mulheres mais velhas para terem cuidado com os galanteios de homens muito bonitos durante as festas, tudo pra evitar ser seduzida pelo infalível boto e a possibilidade de tornar-se, por exemplo, uma mãe solteira e, assim, virar motivo de fofocas ou zombarias.       O boto ou Uauiara, também é conhecido por ser uma espécie de protetor das mulheres, cujas embarcações naufragam. Muitas pessoas dizem que, em tais situações, o boto aparece empurrando as mulheres para as margens do rio, a fim de evitar que elas se afoguem, as intenções disso até hoje não são muito conhecidas…       Assim sendo, na região norte do Brasil, quando as pessoas desejam justificar a geração de um filho fora do casamento, ou um filho do qual não se conhece o pai, é comum ouvir que a criança é filha do boto.       Por este fato as pessoas que moram nas comunidades próximas aos rios onde habitam os botos cor-de-rosa o comem acreditando que ficarão enfeitiçadas por ele pelo resto da vida. Acredita-se também que algumas pessoas que comem a carne do boto ficaram loucas.1-     Segundo a lenda quem é o boto-rosa?
___________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 2-    Onde ele habita?
______________________________________________________________________________________________________________________________3-    Quando o boto sai do rio?
______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 4-    Há que região do Brasil o boto pertence?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
 5-    Como ele aparece nas festas?
________________________________________________________________ 6-    O que acontece com as mulheres que são seduzidas pelo boto nas festas juninas?
___________________________________________________________________
7-    Quando é que dizem que uma criança é filha do boto?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

8-    Segundo o texto, o que as pessoas acham que acontece com quem come a carne do boto?
________________________________________________________________
       ________________________________________________________________


A LENDA DO SACI

Diz a lenda que o Saci-Pererê é um negrinho, baixinho, com uma perna só que usa uma carapuça vermelha na cabeça e um cachimbo na boca.
          O Saci-Pererê entra nas casas dos moradores, põe açúcar nas comidas, apaga o fogo, faz cócegas nas galinhas, irrita os cachorros, solta os cavalos, assusta os viajantes e muitas outras safadezas.
          Dizem que os viajantes, para se livrarem do danadinho, carregam fumo e cachaça para dar-lhe de presente e torcem para que o mesmo vá embora.
          Os meninos que eram filhos das escravas com os senhores, eram abandonados nas matas, morriam pagãos, e por isso, viravam Sacis.

1-      Descreva como eram os sacis, segundo a lenda:
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________

2-      O que o Saci-Pererê costuma fazer?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________

3-      O que os viajantes fazem para se livrar deles?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________
_____________________________________________________________________

4-      De onde surgiram os sacis, segundo a lenda?
______________________________________________________________________
______________________________________________________________________






A LENDA DA VITÓRIA RÉGIA


Um dia, uma formosa índia, chamada Naiá, apaixonou-se pela lua. Sentia-se atraída por ela e, como quisesse alcançá-la, correu, correu por vales e montanhas, atrás dela. Porém quanto mais corria, mais longe e alta ela ficava. Desanimou de alcançá-la e voltou para a taba.
         A lua aparecia e fugia sempre, e Naiá cada vez mais a desejava. Uma noite, andando pelas matas ao clarão do luar, Naiá se aproximou de um lago e viu, nele refletida, a imagem da lua.
        Sentiu-se feliz, julgou poder agora alcançá-la e, atirando-se às águas claras do lago, afundou.
        Nunca mais ninguém a viu, mas Tupã, com pena dela, transformou-a nesta linda planta que floresce em todas as luas.
        Entretanto, Uapê só abre suas pétalas à noite, para poder abraçar a lua, que se vem refletir em sua aveludada corola.
        Eis aí, como nasceu, da imaginação fértil e criadora de nossos índios, a história da Vitória Régia, ou Uapê, ou Iapunaquê-uapê, a maior flor do mundo.

1-    Você conhece outras lendas? Escreva o nome de duas:
________________________________________________________________
________________________________________________________________

2-   Qual a explicação dada no texto para o surgimento da Vitória Régia?
_________________________________________________________________
____________________________________________________________________

3-   De acordo com as informações dadas no texto, por que a Vitória Régia só abre suas pétalas à noite?
___________________________________________________________________
__________________________________________________________________

4-   Quais são os outros nomes dados a Vitória Régia?
_________________________________________________________________
_________________________________________________________________

5-      Com a criação dessa lenda os índios queriam explicar como nasceu a Vitória Régia que é:
(        ) Uma lua
(       ) A maior flor do mundo
(       ) Uma mulher
(       ) O sétimo filho de um casal

6-      O texto diz que Tupã teve pena de Naiá. O que ele fez por ela?
____________________________________________________________________
____________________________________________________________________

7-Dê um colorido todo especial a índia.






                                   A LENDA DO CURUPIRA



Quem é o curupira 
O folclore brasileiro é rico em personagens lendários e o curupira é um dos principais. De acordo com a lenda, contada principalmente no interior do Brasil, o curupira habita as matas brasileiras. De estatura baixa, possui cabelos avermelhados (cor de fogo) e seus pés são voltados para trás.
O protetor das plantas e animais da floresta 
A função do curupira é proteger as árvores, plantas e animais das florestas. Seus alvos principais são os caçadores, lenhadores e pessoas que destroem as matas de forma predatória.
Para assustar os caçadores e lenhadores, o curupira emite sons e assovios agudos. Outra tática usada é a criação de imagens ilusórias e assustadoras para espantar os "inimigos da florestas". Dificilmente é localizado pelos caçadores, pois seus pés virados para trás servem para despistar os perseguidores, deixando rastros falsos pelas matas. Além disso, sua velocidade é surpreendente, sendo quase impossível um ser humano alcançá-lo numa corrida.
De acordo com a lenda, ele adora descansar nas sombras das mangueiras. Costuma também levar crianças pequenas para morar com ele nas matas. Após encantar as crianças e ensinar os segredos da floresta, devolve os jovens para a família, após sete anos.
Os contadores de lendas dizem que o curupira adora pregar peças naqueles que entram na floresta. Por meio de encantamentos e ilusões, ele deixa o visitante atordoado e perdido, sem saber o caminho de volta. O curupira fica observando e seguindo a pessoa, divertindo-se com o feito.


  A LENDA DA CUCA
Cuca é um dos principais seres mitológicos do folclore brasileiro.Ela é conhecida popularmente como uma velha feia na forma de jacaré que rouba as crianças desobedientes. A origem desta lenda está em um dragão, coca das lendas portuguesas, esta tradição foi trazida para o Brasil na época da colonização.Diz a lenda, que a Cuca rouba as crianças que desobedecem a seus pais.A Cuca dorme uma noite a cada 7 anos, e quando fica brava dá um berro que dá pra ouvir à 10 léguas de distância. Pelo fato da Cuca praticamente não dormir, alguns adultos tentam amedrontar as crianças que resistem dormir, dizendo que se elas não dormirem, a Cuca irá pegá-las.



  A Lenda do Lobisomem

Esta lenda conta que quando uma mulher tem 7 filhos o sétimo, esse menino será um Lobisomem. Também é uma maldição de mulher amancebada com um Padre o filho será lobisomen.
As sextas feiras, ele vai até uma encruzilhada e se transforma em lobisomen uivando   para a lua,   visita 7 fazendas 7 cemiterios e 7 igrejas, correndo por ruas e estradas e os cachorros correndo atrás latindo , seu uivo é horripilante.
Também visita galinheiros em busca de esterco das galinhas , quando o dia está para amanhecer ele volta para o lugar de onde partiu e volta a forma de homem.
É fácil reconhecer uma pessoa que vira lobisomem, ele é pálido, magro, nunca olha nos olhos das pessoas, anda sempre de camisa de mangas compridas para esconder os calos dos cotovelos pois na forma de lobisomem ele anda com os cotovelos no chão   e raramente sai de casa de dia .


  A LENDA DO BUMBA MEU BOI


Segundo a história, em uma grande fazenda de criação de gados, um casal de escravos, Catirina e Francisco (também conhecidos como Mãe Catirina e Pai Francisco, em algumas regiões) passam por uma situação inusitada. Catirina está grávida e, certo dia, conta ao marido que está morrendo de desejo de comer língua de boi. O marido, sabendo que desejo de mulher grávida é uma ordem, busca uma solução. Francisco fica angustiado. Com tantos bois perto, nenhum pertencia a eles, são todos do patrão.

Catirina então, admirando a lua pela janela, avistou um boi bonito, gordo e vistoso e pensou no quanto desejava comer língua de boi. Seu olhar comprido comoveu o marido, que pegou o boi, o matou e cozinhou sua língua, saciando o desejo da esposa.

O restante do boi, Francisco repartiu com os vizinhos, sobrando apenas o par de chifres e o rabo, que ninguém quis.

Os dias passaram e, numa tarde qualquer, o amo começou a andar por sua propriedade para conferir o rebanho. Foi então que ele sentiu falta de seu grande boi que havia mandado trazer do Egito e perguntou a um de seus empregados onde estava ele. O escravo, então, disse que seu boi havia sumido. Um outro escravo que passava por ali, revoltado por não ter ganhado nenhuma peça de carne, deu com a língua nos dentes e contou que Francisco havia matado seu gado.

Inconsolado, o amo caiu no choro. Francisco e Catirina, com medo da reação do patrão, fugiram para uma outra cidade. O amo não queria nem saber, só queria seu boi vivo de volta. Chamou rezadeiras, pagaram penitências, curandeiros também foram anunciados para tentar ressuscitar o boi, mas o rabo, os chifres e o esqueleto permaneciam no mesmo lugar.

A história do senhor que chorava por seu boi assassinado se alastrou pela região, chegando até a cidade para onde fugiram Catirina e Francisco. O casal, então, confessou que estava morrendo de arrependimento pelo crime cometido. O filho do casal, já grandinho, ouviu a história e pediu aos pais que o levassem até a fazenda.

Chegaram então os três na propriedade. Mesmo com medo de receber algum tipo de castigo, o casal acompanhou o filho, que pegou o rabo do boi, espiou lá dentro e deu três sopros muito fortes. O boi, então, viveu e saiu chifrando quem tivesse pela frente. O amo não se aguentava de tanta alegria. Abraçava todos e até perdoou Catirina e Francisco.


Todas as lendas que estão no blog,foram trabalhadas com os alunos durante o desenvolvimento do projeto do Folclore"CONHECENDO NOVOS SABERES" Algumas turmas com interpretação textual,outras com pinturas,dobraduras,quebra cabeça,brincadeiras , jogo dos sete erros e etc.




2 comentários: